CHUCK CLOSE

CHUCK CLOSEChuck Close, Big Nude, 1967, acrylic on gessoed canvas, 117″ × 253-1/2″ © Chuck Close. Courtesy Pace Gallery.

Pace Gallery presents Chuck Close: Nudes 1967 – 2014, an exhibition of mainly Close’s photographic work that will include one painting. Never before showed publicly in New York, the vast 10×21 foot acrylic painting Big Nude (1967) will be on loan from a private collection. The impressive canvas references Close’s photography, as it is done completely in black and white, and is the product of a labor-intensive process.

LA POCHA NOSTRA

la pocha nostraCORPO INSURRECTO 3.0: THE ROBO-PROLETARIAT

LA POCHA NOSTRA GUILLERMO GOMEZ-PEÑA ERICA MOTT DANI D’EMILIA

Performance, 2012

Employing La Pocha Nostra’s trademark “robo-baroque” aesthetic, cyborg-kitsch and acid humour, Corpo Insurrecto 3.0: The Robo Proletariat is LPN’s newest experiment in “corporeal transformations.” Using this format, the ritual presentation of live art and live language, Corpo Insurrecto samples both new work and performance classics, addressing the current global culture of far right isolationism, xenophobia, the violence of organized crime and a broken economy and how these factors impact on the human body.

As in most Pocha projects, audience members are invited to participate in this bizarre experiment. They will be invited to collaborate as we incarnate “the dreams and nightmares of our current times,” and to help the performers re-imagine new iconography by intervening the performance with their own bodies in dialogue with the performers. Through this, LPN will invoke a “wonderfully clumsy but efficient form of radical democratic practice.” The revelation of the process, the in situ search for new images and formats, becomes the actual project.

WITHIN CORPO INSURRECTO, LPN EXAMINES:

What is X-treme when everything is extreme?

Is audience participation relevant when pop culture is constantly asking us to participate in meaningless consumerism, and every new technological gadget is asking us to “talk back”? And whom do we talk back to?
How can we remain open, original, porous, funny, critical, without falling to post-ironic jadedness or becoming one more “packaged product” for international festivals?

Authors: La Pocha Nostra (Guillermo Gomez-Peña, Erica Mott, Dani d’Emilia);

Production and organisation: City of Women and La Pocha Nostra; In collaboration with: Old Power Station – Elektro Ljubljana.
Supported by: EU Culture, U.S. Embassy Ljubljana

R.I.P BOB CASALE , DEVO

DEVO-Bob2RIP-copy_largeBob Casale R.I.P.
Após as recentes mortes de Phillip Seymour Hoffman, Shirley Temple, e Sid Caesar, ouvimos muito sobre o impacto que teve sobre os americanos comuns. Hoffman, Temple e Caesar fizeram a vida das pessoas melhor, é verdade, mas DEVO mudou as suas vidas. As pessoas sob a sua influência mudaram as suas roupas, os seus cabelos, a sua política, os seus gostos, as suas personalidades e se tornou-se nos DEVO, ou punk, new wave, ou qualquer outra coisa.

Essas pessoas nunca foram os mesmos. Foi o grau de mudança que seria causada por talvez juntando o Exército , ou de ser um prisioneiro por um longo tempo , ou ir em uma viagem missionária . Mas DEVO fez isso com apenas um álbum. Em seguida, o exército foi criado.

Bob Casale guitarrista e membro fundador morreu a 17 de fevereiro, 2014, de “insuficiência cardíaca” com a idade de 61, de acordo com o seu irmão e colega de banda Gerald Casale.
É um choque para todos os amantes do grupo pós-punk, punk, new wave, Devo.

“Como um membro original do Devo, Bob Casale estava lá nas trincheiras comigo desde o início”, escreveu Casale na página do Facebook da banda. “Ele era meu irmão sangue-frio, um desempenho sólido e talentoso engenheiro de áudio, dando sempre mais do que tinha. Ele estava animado com a possibilidade de Mark Mothersbaugh permitir os Devo de fazer shows novamente.

A sua morte súbita em condições que levaram à insuficiência cardíaca veio como um choque total para todos nós”.

Devo, a banda americana de New Wave foi formada em 1972, pelos irmãos Mark e Bob Mothersbaugh, e Bob e Gerald Casale. No início a banda underground, estourou na cena com álbum de estreia Q : Are We Not Men? A: We Are Devo !

Recentemente, a banda lançou o registo Something For Everybody em 2010, um esforço inovador ( e o primeiro da banda em 20 anos), que foi composto por meio da experiencia de crowdsourcing, onde os fãs escolheram o tracklist.

A banda deixou a Warner Bros, e dois anos depois, planeava manter e lançar material inédito.

BILL CALLAHAN

bill calahanBill Callahan mostra álbum ‘Dream River’ em Lisboa e Porto.Um dos mais influentes artistas em silêncio da sua geração, de Maryland, Bill Callahan tem constantemente desafiado a expectativa e empurrou as fronteiras ao longo dos seus 20 + anos, uma carreira caleidoscópica.

Trabalhando através do uso da repetição e da sua voz forte, impassível, ganhou uma reputação como um artista que trabalhou com simplicidade ousadia e beleza de se tirar o fôlego. Desde 2007, Callahan foi lançando material em nome próprio, a começar pelo aclamado Woke On A Whaleheart.

O cantor norte-americano que antigamente dava pelo nome de Smog, vai apresentar este fim de semana com um concerto em Lisboa no sábado e no Porto no dia seguinte, o álbum “Dream River”,lançado em setembro, segue na consistência impressionante do seu trabalho.

A primeira parte dos concertos, quer no Cinema São Jorge, em Lisboa, quer na Casa da Música, no Porto, vai ser efetuada pela cantora de 24 anos Haley Fohr, que dá pelo nome de Circuit des Yeux e apresenta o registo “Overdue”, portadora de uma voz que a revista digital Pitchfork comparou a Antony, Diamanda Galás e Nico.
Numa série de respostas por escrito enviadas à Lusa, Bill Callahan, de 47 anos, disse que o álbum “Dream River” é fruto de “um novo conceito ou nova forma de considerar os sonhos”, tema constante na carreira do artista.

“Os sonhos não são apenas parte das nossas vidas quando dormimos, mas estão em nossa volta o dia inteiro, simplesmente não os vemos sempre”, explicou o autor de canções como “Cold Blooded Old Times”.

Em relação ao nome Smog, que abandonou em meados da década passada, Bill Callahan afirmou esperar que a ligação a ele “esteja a desvanecer-se mais a toda a hora”, sublinhando que as pessoas ainda colocam questões sobre o assunto durante entrevistas, o que “o mantém vivo mais tempo”.

“Tendo a viver no presente e não no passado, então não estou muito interessado nisso em si. Tudo bem se outras pessoas estão interessadas, mas…”, referiu o cantor, sem terminar a frase.

Depois do lançamento de “Dream River” em setembro do ano passado, Callahan recriou — para surpresa da crítica e dos seus admiradores — o álbum, em modo ‘dub’, com o título “Have Fun with God”.

Em relação ao projeto, Callahan explicou que gosta de “música reciclada” e assegurou ter planos para “reciclar música” à sua maneira no futuro.

THE RESIDENTS +1989 + TOUR 2014

THE RESIDENTS-bilhete

SHADOWLAND project announced
The Residents move into the final phase of their 40th Anniversary Randy Chuck and Bob project with Shadowland.
“Concluding the celebration of their 40th anniversary, The Residents are pleased to announce Shadowland, Part 3 of the Randy, Chuck & Bob Trilogy. Aspiring to examine life in reverse, the trilogy began in 2010 with The Talking Light, a study of ghosts and death; reflecting on love and sex, the group continued with their Wonder of Weird tour in 2013; and finally with Shadowland, Randy, Chuck & Bob will focus on the beginning of life – birth. As with Parts 1 & 2 of the trilogy, Part 3 will feature music from The Residents’ extensive catalog interspersed with short videos about birth, rebirth, reincarnation and NDEs (near death experiences). “

R.I.P. JUNIOR MURVIN

junior-murvin-2Júnior Murvin morreu aos 67 anos.
O Jamaica Observer escreveu que o cantor morreu no Hospital Port Antonio em Portland na manhã (2 de dezembro). Mais conhecido pelo single clássico “Police and Thieves”, produzido por Lee “Scratch” Perry, em 1976 – nome verdadeiro Murvin Júnior Smith sofria de diabetes em estado avançado no momento da sua morte.

Os 1977 Police and Thieves, foi a estréia do LP de Murvin apoiado por The Upsetters. Ele lançou o seu último álbum de estúdio, World Cry, em 1995.

The Clash fizeram a cover Police and Thieves no seu álbum de estréia, em 1977.

KIM SHATUCK- PIXIES- PRIMAVERA SOUND 2014

kimOs Pixies despediram a nova baixista substituta de Kim Deal. Pixies confirmados no Optimus Primavera Sound.Os Pixies perderam a baixista Kim, outra vez. Kim Shattuck, escolhida para substituir Kim Deal, revelou que o seu (pouco) tempo nos Pixies chegou ao fim. A banda bem tentou substituir a histórica Kim Deal.Resta agora saber quem será a nova, ou novo, baixista dos Pixies.

“Super desiludida por saber que o meu tempo com os Pixies acabou hoje [sexta-feira]. Experiência incrível. Estou ansiosa por focar a minha atenção de novo nos Muffs e no álbum que aí vem”, escreveu a baixista, líder dos Muffs, Kim Shattuck no Twitter.

Em Junho Kim Deal surpreendeu os fãs dos Pixies, a banda que co-fundou em Boston com Black Francis, Joey Santiago e David Lovering, com a notícia da sua saída.

Os Pixies terminaram em 1994 e reagruparam-se em 2004 para digressões de revisitação à sua discografia. Quando Kim Deal anunciou a sua saída os restantes elementos do grupo emitiram um comunicado em que se diziam “tristes” com a saída e “muito orgulhosos” por terem trabalhado com ela. “Iremos sempre considerá-la um membro dos Pixies, e o seu lugar estará sempre disponível para ela”.

BOB DYLAN

24200678-24200680-largeBob Dylan foi esta segunda-feira formalmente acusado e vai ser julgado pela Justiça francesa, por injúria e incitamento ao ódio, depois de ter, numa entrevista, alegadamente comparado os croatas aos nazis. O caso remonta a outubro do ano passado, quando o músico dos Estados Unidos, em entrevista à revista “Rolling Stone”, disse, a propósito da escravatura e da guerra da secessão nos Estados Unidos: “Se tiveres Ku Klux Klan no sangue, os negros vão notar, mesmo nos dias de hoje, tal como os judeus detetam o sangue nazi e os sérvios o sangue croata.”

Na sequência destas comparações, um grupo representativo dos croatas em França apresentou uma queixa contra o músico e contra a revista “Rolling Stone”.

Após a dissolução da Jugoslávia, Croácia e Sérvia envolveram-se num conflito sangrento entre 1991 e 1995, que causou cerca de 20 mil mortos.

As declarações que geraram polémica seguiam-se a comentários de Bob Dylan acerca do seu próprio país, onde, segundo o músico, o racismo e a segregação entre brancos e negros ainda persiste.

Quando, em meados de novembro, o músico se deslocou a Paris, para concertos e para receber a legião de honra pela ministra da Cultura francesa, Aurélie Filippetti, a justiça local interrogou-o a propósito do caso.

FRANK ZAPPA

Há 20 anos morria Frank Zappa.f. z.
Frank Zappa está no panteão de grandes músicos. Dezembro é um mês cruel para quem gosta de mister ‘Z’ morreu a 4 de dezembro de 1993. No final deste mês (21 de dezembro)faria 73 anos. Nos seus 53 anos mostrou-se perfeccionista e seminal, tornou-se um dos maiores guitarristas de todos os tempos, foi reconhecido como excelente compositor (de rock, jazz, música eletrônica e orquestral) e dono de um humor sarcástico e corrosivo.

Quem teve a oportunidade de assistir aos seus shows, COMO EU- VI AO VIVO FRANK ZAPPA EM MADRID (ensaiados, ritualísticos, mágicos, sempre envolvendo três ou quatro horas de músicas sem intervalos para os patrocinadores) sabe do quão bom músico Zappa era, e como sabia extrair o melhor dos melhores músicos que contratava (em comum com Miles Davis).

Um DVD com imagens de actuações ao vivo foi lançado para assinalar o 10º aniversário da morte do cantor, guitarrista e produtor.
«Does humour belong in music?» é o nome do DVD que inclui imagens do concerto realizado em Nova Iorque a 26 de agosto de 1984.

Temas como «Zoot allure», «Tinsel town rebellion» ou «Trouble every day» são apresentados neste DVD.