R. I. P. KEVIN AYERS

Kevin AyersAlto, bonito e voz tão excêntrica quanto genial, tinha todos os atributos necessários para o papel. Ele fez uma tourné com Jimi Hendrix e era amigo de Syd Barrett, fundador dos Pink Floyd. Foi ainda responsável pelo rompimento do primeiro casamento de Richard Branson.

Syd Barrett, cujos Pink Floyd eram, a par dos Soft Machine de Ayers, reis do psicadelismo britânico com sede no clube londrino UFO, desapareceu de vista antes de tomar consciência que ela, a juventude, iria desaparecer.

A primeira vez que teve atenção foi em 1967 com os Soft Machine, a sua pioneira banda de rock, o nome deriva de um romance do ícone da geração beat, William Burroughs- após obter a permissão do escritor, a banda fundiu géneros e manteve um desdém altivo para o sucesso gráfico. No entanto, a menos que se importava, mais a sua influência crescia.

Kevin Ayers nasceu em 16 de agosto de 1944 em Herne Bay, Kent. O pai, Rowan Ayers, foi produtor de televisão BBC e poeta menor. Quando os pais de Kevin se divorciaran a sua mãe casou-se novamente com um funcionário que estava na Malásia, e Kevin viver naquele ambiente provou ser uma experiência que teve um efeito profundo sobre ele para o resto da sua vida.

Com 12 anos foi enviado de volta para a Inglaterra, onde foi educado num colégio interno em Canterbury. Pouco inclinado para atividades académicas, era consideravelmente mais entusiasmado pela música e no estilo de vida boémio que em breve seria descrito como “hippie”.

Ele fez amizade com jovens e logo formando grupos. Em 1964 juntou-se aos The Wilde Flowers, nome em honra do seu herói Oscar Wilde, ao lado do baterista Robert Wyatt e do baixista Hugh Hopper.

Mas no ano seguinte Ayers deixou o grupo para ir viver na ilha de Maiorca. No entanto, não se distanciou dos antigos companheiros – tanto que Robert Wyatt acabou ficando paraplégico após cair numa festa de Ayers, em 1973.

Em Maiorca conheceu Daevid Allen, um guitarrista australiano já versado na boemia parisiense. Juntos, voltaram para Canterbury e formam os Soft Machine, Ayers acrescenta Wyatt para o line-up, o teclista Mike Ratledge e próprio Daevid Allen, futuro fundador dos Gong, substituído posteriormente pelo baixista Hugh Hopper.

Ayers gravou dois álbuns com os Soft Machine, o primeiro durante uma digressão americana com Jimi Hendrix, o segundo para cumprir uma obrigação contratual com a editora.

Soft Machine foram imediatamente saudado como um dos fundadores da música britânica psicadélica. Tocando ao lado de Pink Floyd, eles misturaram rock, folk e jazz para criar um novo som de forma livre, que influenciaria o jazz-rock e o rock progressivo na década de 1970. Assinando com o manager de Jimi Hendrix, os Soft Machine emitem o seu primeiro álbum, Volume One, e Kevin passou grande parte de 1968 a apoiar Hendrix numa longa turné pela América.

Tal esforço foi demais para Ayers, no entanto, preferiu uma vida de indulgência no Mediterrâneo. Mais uma vez saiu de cena e da música, para a vida em Ibiza, onde conviveu com problemas de dependência de heroína “foi a personificação desse ideal dos anos 1960 de criatividade, liberdade de expressão e amor livre”.

Mas os seus talentos marcaram-no como um cantor e compositor de nota, e a EMI Harvest rapidamente assinou-o como artista a solo. Em 1969, lança o seu primeiro álbum a solo, Joy Of A Toy, demonstra o seu encanto, misturando Noël Coward-esque com suaves sabores psicadélicos. Os jovens críticos britânicos de rock estavam entusiasmados, como John Peel na BBC, que defendeu Ayers no seu programa Radio 1.

Cabelos louros, bem-falante e espirituoso, Ayers rapidamente passou a ser visto como o menino de ouro do rock britânico no início dos anos 1970. Os seus álbuns Shooting At The Moon (1970) e Whatevershebringswesing (1971) foram bem recebidos, e contou com Ayers apoiado por um grupo de amigos vindo de todo o mundo que incluía, entre outros, Robert Wyatt na bateria e um adolescente Mike Oldfield na guitarra. Ambos os álbuns continham fortes, até mesmo canções populares, ao lado de uma grande quantidade de experimentação sónica, como se Ayers desvia-se de um salão musical singalong a loops de fitas.

Kevin lançou 17 discos a solo, com títulos como Lady June’s Linguistic Leprosy, e em 1973 lançou o album Bananamour – na época tinha um entusiasmo surreal por bananas- e o single Caribbean Moon. Finalmente, foi fazer rádio-friendly músic, depois de ter sido assinado com Chris Blackwell o patrão da influente Island Records, e empregando John Reid (manager de Elton John’s manager), parecia que queria ir além do seu nicho confortável de excentricidade.

O album resultante, The Confessions Of Doctor Dream And Other Stories (1974), posicionava Ayers para o sucesso mainstream, e um álbum ao vivo no London’s Rainbow theatre com Brian Eno, Nico, John Cale e Mike Oldfield, sugere que Ayers era acolhido no panteão da realeza do rock britânico.

No entanto, com riqueza e estrelato ao seu alcance, Ayers novamente se esquiva, preferindo voltar para as Ilhas Baleares, em vez de trabalhar ou andar em tourné e promoção. Prosseguindo vários vícios e mulheres em igual medida, começou a divertir-se. Oa seus albums em meados de 1970, Sweet Deceiver e Yes We Have No Mananas, falham em produzir os hits necessários e, no final de 1970, uma vez que o punk tinha abalado o estabelecido rock britânico, tinha em grande parte retirado os holofotes de Deia, Majorca, a vila que ficou famosa por Robert Graves.

Por essa altura Ayers conheceu Kristin Tomassi, a primeira esposa de Richard Branson, e começou um caso com ela. Embora o casamento de Branson fosse assolado por infidelidades de ambos os lados, a ligação de Ayers com Tomassi provou uma brecha irreparável. Ayers e Tomassi passam a ter uma filha.

Na década de 1980, viciado em heroína, deixou a sua criatividade nas mãos de outros. Os seus álbuns desse período eram uma ferida. A partir de Deia, Ayers gravou uma série de álbuns que entretém os seus seguidores mais fiéis, mas pouco fizeram para sugerir que ele foi tudo menos um homem fora do tempo. O seu álbum de 1992 Still Life With Guitar, foi um caso, em grande parte acústico, soa extremamente relaxado.

Foi a ultima gravação de Ayers a ter a guitarra do seu amigo, Ollie Halsall que iria morrer em breve de overdose de drogas. Ayers depois retirou-se quase completamente do mundo, compra uma propriedade em Montolieu, no Sul da França (Maiorca tornou-se muito popular e cara). Lá viveu discretamente, financiado pelo fio dos royalties.

Também vivendo em Montolieu o artista americano Timothy Shepard, fez amizade com Ayers. Shepard, depois de ter ouvido as gravações caseiras e novas canções de Ayers, está determinado a financiar um álbum e um set sobre reserva de sessões de gravação com conhecidos músicos mais jovens ( membros de bandas como os Ladybug Transistor, Neutral Milk Hotel, Teenage Fanclub, Euro Child dos Gorky’s Zygotic Mynci, Phil Manzanera guitarrista dos Roxy Music, bem como os velhos amigos de Ayers, Robert Wyatt e Hugh Hopper). A etiqueta de Londres Lo-Max lançou estas gravações como The Unfairground em setembro de 2007, atraindo entusiasmados comentarios. Datas de uma turné foram-lhe oferecidos e falou-se de Ayers gravar com os Blur, mas não aconteceu.

Em entrevista naquele ano com o Daily Telegraph, em Notting Hill, era óbvio que Ayers não estaria assumindo compromissos adicionais: bebia muito, e descartou a idéia de gravar e apareceu traumatizado pela nova atenção. O menino de ouro do underground britânico, agora marcado pela bebida, não queria nada mais do que voltar para a sua aldeia francesa. E assim o fez e não tocou ou gravou de novo.

Era um dos grandes excêntricos da pop, um eremita sem temperamento e estrutura para jogar o jogo da celebridade. Era um bon vivant convicto, um dandy que saía de cena, não para criar uma aura de mistério à sua volta, mas porque preferia simplesmente ambientes “relaxados”, “com um melhor sentido de cerimónia para as coisas básicas da vida – comida, música, dança, sexo”.

Foi encontrado à hora do almoço por um vizinho. Terá morrido segunda-feira, contou ao Telegraph Bernard MacMahon, da Lo-Max Records, a sua editora.

Ayers morreu enquanto dormia na sua casa de Montolieu (sul da França), onde morou durante os últimos anos. Deixa uma filha com Kristen Tomassi, e duas filhas de outros relacionamentos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s