DIRTY PROJECTORS

DIRTY PROJECTORS The Glad Fact, é uma réplica, um ano e meio mais tarde, The Graceful Fallen Mango,um álbum que Dave fez sobre o rompimento com sua namorada de colégio. Foi um álbum sobre a clássica separação de um relacionamento: com o arco da cura e o restaurar para a plenitude espiritual. O olhar para frente com confiança e expectativa.

Anúncios

DIRTY PROJECTORS

Completamente estranho e estranhamente familiar, ao mesmo tempo, á um mundo de referências na música Dirty Projectors: stuttering modal riffs do Mali, as melodias sinuosas da ópera, teatro, ou  música moderna, pigmeu vocais antiphonal dos pigmeus, Captain Beefheart,  rock do Zimbabué e do Congo, King Crimson, Talking Heads,  Dan Hicks e  as suas Hot Licks “.
Trovador punk empoeirado no imaginário do  passado, Longstreth é  um génio  que pretende encontrar confortos semelhantes na obra de Beethoven, Wagner, e Zeppelin . Kid A coberto de 80 anos de poeira e escuridão, apenas o intercâmbio robôs e clones de florestas e fazendas abandonadas.   Dave Longstreth está a  fazer a sua própria versão da  música americana.

ORLAN

Uma obra emblemática da abordagem artística tomada por Orlan, esta instalação monumental, não só sublinha a tirania das convenções sociais, mas também as substitui  com um lugar de liberdade onde os ideais se tornam possíveis.
A instalação consiste  numa grande limusina  insuflável que como  num drive-in  enfrenta uma tela que mostra um filme (Orlan Remix: Romain Gary, Costa-Gavras, Deleuze and Guattari) onde ORLAN mixou algumas cenas de Clair de femme – o filme de Costa-Gavras baseado no romance de Romain Gary – com as suas própria células da pele, e de outras células humanas e de animais.

ORLAN escolheu as cenas em Clair de femme onde Montand Benini conta piadas sobre os japoneses e os belgas, e as cenas em que mostram a formação de multi-coloridos poodles, incluindo uma rosa, que dança com um chimpanzé.
Um símbolo dos constrangimentos sociais ligados ao casamento (a preocupação com o luxo e as aparências), a limusina insuflável prova ser uma farsa. Longe de essa padronização, ORLAN pontos do absurdo e racismo coloca em perspectiva o facto óbvio da diversidade, mesmo de hibridização. No entanto, essas células são baseados de um sistema absurdo;. Ninguém pode comprá-los na Internet, onde eles são classificados de acordo a “race”.

O lema do actual figurino Harlequin no vídeo projectado na tela e nas janelas da limusina (transformada em vitrais para a ocasião) funciona como uma metáfora, substituindo um mosaico de combinações e evolução ordenada de uma visão demasiado suave do mundo. Ao som do paso doble e dança num ambiente de aldeia, ORLAN filma as celulas da sua pele, num close-up de dança com as de outros seres humanos e outras espécies animais. Mais uma vez, ela usa o seu corpo e rejeita os tabus os vencedores e envolve a realidade.

“J’ai donné mon corps à l’art”
Orlan

Orlan/Orlon não é uma afirmação mas o titulo de uma performance. Uma das muitas performances coreografadas, preparadas e realizadas por Orlan durante a Reincarnação de St. Orlan.

Em 1977, “O beijo da artista” (Le baiser de l’artiste) causa polémica com a simulação do seu corpo como uma máquina automática de vender beijos; o utilizador colocava a moeda do respectivo valor numa pequena ranhura que a artista usava ao peito e esta recompensava-o com um beijo. Este foi o ponto de partida para uma mulher que 6 anos antes se havia baptizado com o nome artístico de St. Orlan7, ao “mascarar”-se com materiais como o vinil e a pele. Encena a vida dos santos em forma de performance integrando fotos, colagens, vídeos. Esta incarnação centrava-se na denúncia da hipocrisia da sociedade tradicional na forma como tratava a imagem feminina, colocando-a sempre entre a santa e a prostituta.

Influenciada pela obra de Duchamp e pelas correntes revolucionárias do Maio de 68, Orlan trabalha performances blasfémicas onde o seu corpo encarna e molda diferentes personagens, numa espécie de retratos vivos das acções que se passam. Uma gravidez extra-uterina fez com que fosse operada de emergência; através de uma anestesia local, pôde ser espectadora da sua operação como se a parte do corpo a ser operada não lhe pertencesse8. Montou uma única câmara na sala de operações e assim que a primeira cassete terminou foi enviada de imediato para o Centro de Arte Contemporânea de Lion para ser exibida, numa performance quase em simultâneo. Mas foi só pelo seu 43.º aniversário, em 1990, que fez a primeira de nove operações da performance Reincarnação de St. Orlan.

SWEET APPLE

A maioria das bandas se reúnem ao som das guitarras, amplificadores e bateria. Sweet Apple formaram-se depois de uma tragédia, por amizade, num dia infeliz em Vermont. À primeira vista, o quarteto  rock ‘n’ roll pode parecer um daqueles “supergrupo indie-rock” .  J. Mascis (bateria / guitarra / vocais) toca nos  Dinosaur Jr.Tim Parnin (guitarra) e John Petkovic (vocals/guitarra) tocam nos Cobra Verde,  Dave Sweetapple (baixo / vocais) toca nos Witch.  Mas os Sweet Apple nasceram de uma morte – e  de uma unidade de cross country. Totalmente por acaso. Era uma manhã chuvosa em Dezembro, quando John Petkovic entrou no  seu carro posição leste. Ele não tinha nenhum destino em mente, e muito menos os planos para uma banda. Ele só queria ir embora. “Minha mãe tinha acabado de morrer após uma doença longa e horrível”, diz . “E eu tinha sido totalmente devastado por tantas coisas, de uma só vez. Eu tinha perdido muito peso. Eu não conseguia comer ou dormir. Tudo o que eu fazia era fumar cigarros, um após o outro e depois outro. “John entrou no seu carro e saiu para fumar um  longo cigarro . Quatrocentos quilómetros da sua cidade natal, Cleveland, e de repente,  recebeu um telefonema do amigo Dave Sweetapple. “Eu não podia acreditar que ele estava dirigindo sem rumo”, diz Sweetapple, de Brattleboro, Vermont “Quando eu descobri que ele estava tão perto de Vermont  disse-lhe para vir.” Dave também chama o  seu amigo em comum J. Mascis, que mora ali perto, em Amherst, MA., e também lhe disse para vir. J fez, e disse a John para começar a escrever um monte de músicas, quando ele voltou para casa – para que  pudessem começar uma banda.

THE APPLES in STEREO

Os indie The Apples in Stereo estão comemorando o início de uma nova década com o lançamento de seu sétimo álbum de estúdio, Travellers in Space and Time. Descrito pelo vocalista Robert Schneider como “retro-futurista-super pop”, o álbum é seguido New Magnetic Wonder, 2007 , segundo lançamento da banda pela Simian Elijah Wood’s Records. O álbum foi  lançado em 20 de Abril, através Yep Roc / Simian / Elephant 6.

J .MASCIS

Ao contrário do que os fãs estão acostumados a ver com a tradicional banda indie, ou seja, muita distorção e solos inimitáveis de guitarra, o líder dos Dinosaur Jr., J. Mascis, vai regressar  a 15 de Março com  «Several Shades Of Why» . O álbum traz dez canções em formato acústico, e  não segue, a obra de  Mascis,  nos Dinosaur Jr. , mas os dois álbuns como The Fog,  duas gravações  Witch,  Sweet Apple um par de  discos acusticos a solo ao vivo : 1996’s Martin  Me  2006 arquivo  J Mascis Live at CBGB’s: The First Acoustic Show.

Formados em Massachusetts, em 1984 por J Mascis e Lou Barlow, a  banda inicialmente chamava-se  apenas “Dinosaur”, mas perdeu o nome para uma banda hippie chamada The Dinosaurs, não tendo escolha senão mudar o nome, acrescentando o “Jr.”.

Mascis já produziu inúmeros trabalhos, os primeiros discos dos Buffalo Tom, em 1988 e 1990. Em 2005 gravou com a banda dinamarquesa Mew. No mesmo ano, lançou um disco pelo seu selo,  J. Mascis and Friends,  o trabalho foi baptizada de  “J and Friends Sing and Chant For Amma” e conta com canções de devoção ao líder religioso hindu Mata Amritanandamayi. Todo o rendimento foi doado para vítimas do tsunami.

Mascis,  toca um concerto beneficente em 13 de Novembro em Nova York para uma organização humanitaria sem fins lucrativos, Embracing the World, fundada pela figura hindus  Sri Mata Amritanandamayi Devi, mais conhecido como Amma. Em 2005, Mascis lançou um EP de músicas devocionais e cânticos dedicados ao líder espiritual .

Desde 2005,  Mascis reuniu-se aos antigos  companheiros de banda, Lou Barlow (baixista) e Patrick “Murph” Murphy (baterista) para uma série de shows como  Dinosaur Jr.

David Bowie and Mick Ronson, Train to Aberdeen 1973

A obra de Mick Rock, o fotógrafo que capturou algumas das imagens mais emblemáticas do rock, está exposta The Mick Rock Show, na galeria do Morrisson Hotel, em Nova York.

O Morrisson Hotel abriga a retrospectiva do trabalho do lendário fotógrafo Mick Rock, que documentou alguns dos momentos mais marcantes da carreira de algumas das maiores lendas da história do rock.

O fotógrafo iniciou a carreira em 1972 e ficou famoso por seus retratos ousados feitos de David Bowie, pouco conhecido à época. A exposição coincide com o lançamento do livro de mesmo nome, Exposed: the Faces of Rock n’ Roll, que traz algumas imagens nunca vistas antes de Iggy Pop, Syd Barrett, Lou Reed e Blondie, entre outros.

LAURIE ANDERSON

O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) recebe a exposição da carreira da multifacetada artista americana Laurie Anderson,I In U / I Were You. Ao contrário de Lou Reed, que cancelou sua vinda à Feira Literária Internacional de Paraty (Flip) na última hora, a artista participa na abertura com a performance Duetos sobre Gelo .

Aos 63 anos conhecida pelos seus trabalhos musicais, Anderson, compositora, violinista tem formação em história de arte e escultura. “É uma mostra sobre histórias, às vezes contadas em fotografias, em filmes ou em objectos. É sobre muitas coisas, como música, vida, comida, família, tristeza, amor”, disse ao O Estado de S. Paulo.

A exposição, elaborada exclusivamente para o CCBB, apresenta um conjunto de trabalhos desde os anos 70, incluindo obras interactivas – 19 filmes, vídeos, desenhos e fotos. Entre as quais uma cadeira emite sons de acordo com quem se senta, enquanto um travesseiro conta histórias a quem se deita. Handphone Table, conta histórias por vibração sonora, e Self Playing Violin, um instrumento criado pela artista que toca sozinho.

JOHN CALE

Estudou em Goldsmiths College London, onde começou a revelar interesse pela música electrónica e avant-garde. Recebeu uma bolsa de estudos para a escola da Orquestra Tanglewood da Boston University e foi para Nova Iorque.
Cale conheceu Lou Reed em 1964 e, fundaram os Velvet Underground. Com Andy Warhol, Cale, Reed, guitarrista Sterling Morrison e baterista Mo Tucker – e gravaram o mítico The Velvet Underground and Nico.
Devido a manobras empresarias e ao anseio de Reed em assegurar a liderança, Cale abandonou a banda em 1968. “Eu sabia que a música que fazíamos não podia ser ignorada. Havia muitos elementos de classicismo no que estávamos a fazer para as pessoas encararem isso como se fosse alguém simplesmente a fazer barulho. Era muito construído. Pensava ser inevitável que alguém pudesse perceber a incomparável natureza do que estávamos a construir.”
Na carreira a solo, Cale começou com Vintage Violence,  1970. Após um ano, Church Of Anthrax, a colaboração com o Terry Riley. Em 1973, lançou The Academy In Peril, um  quase sinfónico trabalho que trazia a Royal Philharmonic Orchestra. De seguida, Cale assinou com a Warner Brothers como artista, produtor e responsável pelo A&R, e mudou-se para Los Angeles.

LOU REED + SUSAN BOYLE

Após cantar para o papa Bento XVI, durante a passagem pelo Reino Unido, em Setembro, a cantora escocesa Susan Boyle vai cantar para o príncipe Carlos herdeiro do trono britânico, e a sua actual mulher, Camilla Parker-Bowles.

Susan vai cantar Perfect Day, de Lou Reed, durante a cerimonia dos prémios Pride of Britain Awards, promovido pelo tabloide Daily Mirror, (8).

Apenas um dia perfeito
Bebendo sangria no parque
E então mais tarde quando escurecer
Nós iremos para casa

Apenas um dia perfeito
Alimentando os animais no zoológico
E então mais tarde Um filme também
Depois iremos para casa

Oh, isto me parece um dia perfeito
E eu estou contente por estar passando ele com você
Oh,me parece um dia perfeito
Você apenas me deixa no ar
Você Apenas me deixa no ar

Apenas um dia perfeito
Problemas deixados de lado
Finais de semana somente nós
Isso parece divertido

Apenas um dia perfeito
Você me fez esquecer eu mesmo
Eu pensava que eu era qualquer um,
uma pessoa boa

Oh, isso me parece um dia perfeito
E estou contente por estar passando ele com você
Oh, parece um dia perfeito
Você apenas me deixa no ar
Você apenas me deixa no ar

Você irá colher o que você plantou
Você irá colher o que você plantou
Você irá colher o que você plantou
Você irá colher o que você plantou